2016_10_01 Avenida Calouste Gulbenkian


A vibração foi-se aproximando com cadência. Stump, stump, stump, stump, stump, stump... Passou por mim em passo de corrida e desvaneceu-se na distância. Não me lembro desta ponte tremer tanto mas também é a primeira vez que estou parado em cima dela a desenhar e a ponta da caneta parece um sismógrafo a registar tremores de terra sempre que passam corredores ou ciclistas.
A ponte faz parte do corredor verde de Monsanto e tem o nome do arquitecto paisagista responsável pelo plano feito em conjunto com a Câmara Municipal de Lisboa, Gonçalo Ribeiro Telles. Tem uma vista interessante sobre a Av. Calouste Gulbenkian e fica mesmo no enfiamento dos aviões que vão aterrar na Portela.
Até que...
"Posso espreitar o seu desenho?" perguntou a voz debaixo do capacete.
R. também desenha, mostra-me o caderno de aguarelas e sabe que neste dia há encontro uskp no Jardim da Estrela. Aconselho-o a participar porque para além doutras coisas há workhops sem pagar. A conversa continua. Aos quarenta anos, cansado das horas extras e dos fins de semana a trabalhar sem remuneração nem reconhecimento deixou o atelier de arquitectura e decidiu mudar de vida. Conduz um tuk tuk e mostra Lisboa aos turistas. Está contente com a troca que conclui ser financeiramente recompensadora.
Nessa tarde enviei-lhe um link para as aguarelas em Lisboa do Roque Gameiro. Quem sabe se não surge um novo percurso para os turistas que procuram conhecer mais sobre as artes em Lisboa.

4 comentários:

  1. Lindo desenho Filipe! E gostei do texto que o acompanha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Cláudia. Às vezes o que queremos escrever sobre o desenho não cabe no papel e ganha vida própria.

      Eliminar
  2. Concordo com a Cláudia! Cada vez que passo por cá, os desenhos estão melhores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Jeanne. Limito-me a manter a passada certa para não me atrasar muito.

      Eliminar